• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Artigo

Diap alerta para redução da bancada dos trabalhadores no parlamento

Publicado: 02 Setembro, 2010 - 00h00

Fundado em 1983, o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) tem como principal função fornecer instrumentos para construção de projetos e acompanhar, principalmente no Congresso Nacional, o encaminhamento das propostas de interesse dos trabalhadores.

Conforme destaca o presidente do órgão, Celso Napolitano, em período de eleições, além de monitorar o financiamento de campanhas dos principais candidatos, o Diap precisa redobrar a atenção para que nenhuma medida contrária à classe trabalhadora seja aprovada enquanto os movimentos sociais estão concentrados em discutir o modelo de desenvolvimento que desejam para o Brasil.

Em entrevista ao portal da CUT, o dirigente falou sobre a renovação do parlamento, a necessidade de discutir temas como o voto obrigatório e fez um alerta: está diminuindo a participação dos parlamentares que tem origem no movimento sindical.

Qual é o papel do Diap nas eleições de 2010?
Celso Napolitano - O Diap basicamente monitora o financiamento de campanha dos principais candidatos, além de continuar com o acompanhamento da atuação do Congresso Nacional, que se torna reduzida em função do chamado recesso branco. Mas, não descuida daqueles projetos que são de interesse do trabalhador e que no período de esforço concentrado podem sofrer algum tipo de movimentação. Além disso, alertamos também o movimento sindical sobre as representações dos trabalhadores e patronais que estão se candidatando ao parlamento.

Como você avalia a candidatura de nomes ligados à classe trabalhadora?
Napolitano - Há pouco tempo fizemos um alerta sobre a pouca participação de parlamentares que vieram das bases sindicais enquanto que a representação patronal está cada vez mais organizada e presente no Congresso Nacional.

A que você atribui a diminuição da bancada dos trabalhadores?
Napolitano - As eleições estão cada vez mais caras e fica difícil uma pessoa que vem de um movimento de trabalhadores ter condições financeiras para se eleger. Há também a diminuição de politização dos sindicatos e os representantes dos trabalhadores.

Um levantamento recente do Diap apontou que a renovação na Câmara vai a ser menor dos últimos 20 anos. Por que isso acontecerá?
Napolitano - Eu atribuo isso também ao custo de campanha somado ao que os publicitários chamam de recall daquelas pessoas que estão na cabeça dos eleitores.

Por um lado os movimentos organizados como igrejas tem muito mais condições de emplacar candidatos e por outro, os eleitores lembram muito mais da atuação de quem já está no parlamento do que os outros novos que se colocam e não tem cobertura de mídia. Em São Paulo, por exemplo, um deputado federal precisa de 150 mil votos e isso faz com que o custo para a campanha seja muito alto.

Fora isso há também as grandes celebridades que estão aproveitando a exposição midiática para se eleger. Você tem celebridades que vão configurar o voto de protesto, de eleitores que não acreditam muito na atuação política. Isso sempre acontece em uma eleição onde o voto é obrigatório. Como o brasileiro, por tradição, não gosta de votar nulo ou em branco, a renovação fica muito mais difícil.

O cenário para o Senado é o mesmo?
Napolitano - E semelhante, mas para o Senado, onde a eleição é majoritária, os partidos tem interesse em apresentar determinada candidatura para reeleição. Fora os que já estão lá, os que se apresentam são caciques partidários, ninguém entra em uma disputa sendo uma pessoas de pouca representatividade.

Como você avalia a qualidade dos debates para as eleições deste ano?
Napolitano - Estavam muito mornos para o meu gosto. Há uma preocupação muito grande de parecer politicamente correto, de não parecer agressivo, há um monitoramento muito grande por parte dos publicitários. Gostaria que se soltassem mais e dessem menos atenção para formatos pré-concebidos.

Em relação às regras eleitorais, muitos representantes dos movimentos sociais tem reclamado da dificuldade de apresentar à sociedade quais são os candidatos comprometidos com suas pautas.

Como você avalia a legislação eleitoral para este ano?
Napolitano - Os partidos terão que ter coragem para fazer uma discussão sobre as regras eleitorais que inclui o tema do financiamento público de campanha, o voto distrital, o voto misto, a representação por partido.

Essas candidaturas de grandes celebridades são para puxar votos para outras pessoas menos representativas dos partidos pequenos. Temos também que tratar da participação nos órgãos de comunicação e as restrições impostas pelo Tribunal Eleitoral, um braço do Supremo Tribunal, que é muito conservador.

Nessas condições, o programa eleitoral não é o definitivo para a eleição, eu preferiria o voto por partido, por legenda ou metade por representação e metade por lista fechada como forma de valorizar as ideias que o partido apresenta. Com isso, acredito que haveria um maior filtro dos candidatos e uma maior participação dos movimentos organizados. Já temos 25 anos de redemocratização e ainda não fizemos essa discussão.

O que você sugere para que os brasileiros e as brasileiras votem de forma consciente e responsável?
Napolitano - Eu acredito que os cidadãos tenham que se identificar uma sigla partidária, verificar quais são os principais temas propostos pelo programa e depois identficar quais os candidatos que atendem os anseios pessoais. Porque pelo nível de informação que tem sido apresentada pelos meios de comunicação é muito difícil que ela possa escolher.

Vale destacar também que em junho deste ano nós publicamos uma cartilha (clique aqui para ler ) que traz perguntas e respostas sobre o voto consciente e será distribuída pelas entidades sindicais aos trabalhadores para tentar fazer com que a sociedade escolhe o candidato a partir de critérios capazes de definir uma boa atuação no parlamento.

Fonte: CUT