• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

7 de setembro é dia do Grito dos Excluídos e Excluídas

Este ano, o lema do evento é “Na luta por participação popular, saúde, comida, moradia, trabalho e renda já!”. A ideia é denunciar o desgoverno Bolsonaro e os impactos da pandemia da Covid-19 no país.

Publicado: 26 Agosto, 2021 - 08h34

Escrito por: Ascom Sindsep-PE

notice
Nesta sexta-feira, dia 27, das 16h às 18h, tem mobilização na Estação Central do Metrô Recife, em defesa do SUS e pelo Fora Bolsonaro. A atividade faz parte das preparações para o Grito dos Excluídos (as), no próximo dia 7 de setembro. Essa será a terceira e última etapa da preparação para as mobilizações que vão ocorrer no Feriado da independência. No dia 16 deste mês teve ato público contra a reforma administrativa (PEC 32), na praça do Diário. Na última segunda, 23, também no mesmo local, das 9h às 11h30, o protesto foi pelo direito à moradia. 
 
No momento em que o Brasil vive ameaças constantes ao Estado Democrático de Direito e uma crise financeira sem precedentes, potencializada pela incapacidade do governo Federal de administrar a pandemia da Covid-19, o 7 de setembro promete ser mais uma vez o palco de uma luta histórica. Será realizado este ano o 27º Grito dos Excluídos (as), com ato público em várias cidades do país, inclusive em Recife.
 
Este ano, o lema do evento é “Na luta por participação popular, saúde, comida, moradia, trabalho e renda já!”. A ideia é denunciar o desgoverno Bolsonaro e os impactos da pandemia da Covid-19 no país. É também um momento de anunciar a importância da unidade das organizações e dos trabalhadores e trabalhadoras pela garantia dos direitos sociais básicos e por um novo projeto de sociedade.
 
GRITO DOS EXCLUÍDOS (AS)
Grito dos Excluídos (as) é uma realização da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Nos estados conta com o apoio das pastorais sociais da Igreja, dos demais movimentos sociais e do movimento sindical. 
 
A manifestação popular surgiu em 1995, como um desdobramento da Campanha da Fraternidade da Igreja Católica. Ao longo desses 26 anos, o evento tem se mostrado bastante plural e agregando várias crenças e ideais. A cada ano é trabalhado um tema que esteja em evidência na sociedade para dar visibilidade aos excluídos, denunciar os mecanismos sociais de exclusão e propor caminhos alternativos para um Brasil mais inclusivo.