• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Apesar do avanço do fascismo, esquerda deve ganhar as eleições

No encontro, realizado no auditório do Sindsep, Afonso Chaves fez uma explanação do que seria a próxima eleição à Presidência da República, destacando a polarização existente entre a civilização e a barbárie.

Publicado: 02 Outubro, 2018 - 15h35

Escrito por: Ascom Sindsep-PE

Sindsep-PE
notice

O Núcleo de Estudos Jurídicos (NEP) realizou uma palestra, na semana passada, com o cientista político e professor da Unicap, Afonso Chaves, sobre a conjuntura política 2018. No encontro, realizado no auditório do Sindsep, Afonso Chaves fez uma explanação do que seria a próxima eleição à Presidência da República, destacando a polarização existente entre a civilização e a barbárie.

O cientista político iniciou sua palestra destacando que o Brasil pode aderir a uma cultura da barbárie muito aproximada da experiência do fascismo, que pretende lograr sucesso por via eleitoral e promover uma agenda opressora contra os trabalhadores, pobres e minorias.

“Na história do Brasil, sempre foi comum uma elite impor suas regras e usufruir de benesses, enquanto o povo passava necessidades. Mas isso vinha mudando nos últimos anos, quando se tentou combater privilégios e universalizar direitos. E isso provocou a ira de muitos privilegiados”, disse.

Afonso observou que o discurso conservador conquista adeptos por estar assentado em base religiosa e na configuração, tida como natural, do mundo. Grande parte dos religiosos afirma que a vontade de Deus é de que o andamento da vida ocorra em determinada direção, que pressupõe hierarquização social e regras tradicionais. Quem não seguir aquele caminho é o diferente e estranho.

“E esse imaginário pode ser operacionalizado pela violência. Ou seja, se o meu pensamento e agenda são os melhores, me dou ao direito de criminalizar quem atrapalha a sua implementação. Por isso, devo silenciar a oposição.”  

Afonso Chaves falou da necessidade dos brasileiros que possuem um pensamento mais progressista, pacifista e que pregam o bem coletivo se unirem para frear esse movimento. E para ele, essa eleição é uma grande oportunidade para isso.

Apesar do avanço do fascismo, Afonso Chaves acredita que a esquerda tem grandes chances de ganhar a eleição e fazer um bom governo. Segundo ele, o processo eleitoral está mostrando o fracasso do golpe, uma vez que o povo compreendeu que o Partido dos Trabalhadores foi retirado do governo para que eles pudessem implementar uma agenda de massacre da classe trabalhadora. Ele acredita na vitória de Fernando Haddad no segundo turno, porque a eleição de Bolsonaro traria ainda mais atraso econômico e social, e acha que o golpe irá refrear.

“Isso porque ninguém aguenta viver um golpe eterno. Permanente. Todos saem perdendo. Os empresários perdem. Os políticos que serão eleitos também. O Judiciário e os meios de comunicação também não têm muito a ganhar. Mas Haddad terá que dialogar com todos esses setores para construir a governabilidade”, destacou.  

No entanto, o professor fez um alerta. Ele lembrou que o Brasil está enfrentando um cenário muito impreciso. Por estamos em meio a um golpe, as regras democráticas podem ser violadas.

“Algo pode estar sendo produzido para atrapalhar a eleição. Nas últimas eleições, a direita produziu fatos graves para tentar culpar a esquerda e vencer. Será estranho se nada acontecer. Eles irão se valer de todos os expedientes no segundo turno. Por isso, todos devem permanecer em estado de alerta para não sermos enganados”, concluiu

carregando
carregando