Escrito por: Assessoria de Imprensa da CUT-PE

 “Dia do Basta”: centrais e frentes populares convocam para coletiva de imprensa e ato de protesto

Nesta quinta-feira, dia 9 agosto, às 10h, coletiva de imprensa, na sede da CUT-PE, em Santo Amaro.

CUT-PE

 “Dia do Basta”: centrais e frentes populares convocam para coletiva de imprensa e ato de protesto

As Centrais Sindicais em Pernambuco e os movimentos sociais intensificam os preparativos para o “Dia do Basta”, em 10 de agosto. O movimento, também chamado de Dia Nacional de Mobilização e paralisações, ocorrerá em todo o País.

Nesta quinta-feira, dia 9 agosto, representantes das Centrais Sindicais de Pernambuco (CUT, CTB, CSP Conlutas, Força Sindical, Nova Central e UGT). se reúnem, às 10h, em coletiva de imprensa, na sede da CUT, em bairro de Santo Amaro. Em pauta: informes, detalhes e esclarecimentos do Dia do Basta. No Recife, as centrais e os movimentos sociais marcaram a concentração para o ato a partir das 15h, na Praça da Democracia/Derby, seguido de ato de protesto, com participação de várias categorias de trabalhadoras e trabalhadores, organizações de mulheres, estudantis, negros,LGBT e populares.

Vale salientar que as Centrais também já produziram o material de divulgação padronizado, que está sendo reproduzido pelos Sindicatos, Federações e Confederações. Além da exposição das peças nas redes de comunicação próprias de cada entidade, alguns materiais de convocação dos atos estão sendo impressos e distribuídos nas bases.

 “Desde a semana passada que as entidades sindicais pernambucanas estão panfletando pelos principais corredores do Centro do Recife,  convocando a população para participar e ampliar as manifestações. "Orientamos também os militantes e as organizações do movimento social, sindical, artístico e cultural que constroem as Frentes em todo o Brasil a aprofundar o diálogo com a população, bem como as centrais sindicais, no sentido de apoiar as paralisações das diversas categorias” assinala o comunicado

Em junho passado, as centrais aprovaram uma "agenda prioritária da classe trabalhadora", com propostas para o próximo governo. O documento já foi entregue a candidatos e líderes partidários. Entre as pautas, os trabalhadores protestam contra a política de preços da Petrobras e o aumento do gás de cozinha, os cortes pelo governo Temer nas políticas sociais e a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu direito de concorrer à Presidência da República nas eleições de outubro. As entidades querem ainda a revogação da Lei 13.467, de "reforma" trabalhista, e da Emenda Constitucional 95, que congela gastos públicos por 20 anos.