• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Fórum dos Servidores Estaduais marca posição em ato público na Assembleia Legislativa.

Nas intervenções, os sindicalistas cobraram respostas da gestão estadual em relação a Pauta de Reivindicações entregue em fevereiro passado

Publicado: 10 Maio, 2018 - 15h21

Escrito por: Assessoria de Imprensa da CUT-PE

CUT-PE
notice

Lideranças do movimento sindical cutista e integrantes do Fórum dos Servidores Estaduais (FSE), participaram nesta quinta-feira (10/05), de Ato Público, na Rua da União, via pública paralela à Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe).

Na atividade sindical, estiveram presentes os representantes dos Sindicatos dos Servidores Civis Públicos, Trabalhadores em Educação, Trabalhadores na Agricultura e Meio Ambiente, Docentes da Universidade de Pernambuco, dos Trabalhadores em Processamento de Dados e informática. O ato teve apoio, também, do Sindicato dos Servidores no Poder Legislativo do Estado de Pernambuco.

Os servidores denunciaram o descaso do Governo Paulo Câmara e reclamaram que, diante da proximidade do dia 1º de junho existem, limites dos prazos impostos pela legislação eleitoral. Nas intervenções, os sindicalistas cobraram respostas da gestão estadual em relação a Pauta de Reivindicações entregue em fevereiro passado e aproveitaram para comunicar aos deputados esta situação, uma vez que a pauta vai tramitar pela Casa de Joaquim Nabuco.

A pauta em parte está prejudicada, uma vez que no governo Paulo Câmara existem perdas de 21%, sendo necessário fazer pelo menos a reposição salarial das categorias que não tiveram reajuste ou reposição salarial em 2018.  

O coordenador do Fórum e vice-presidente da CUT-PE, Paulo Rocha, enfatizou que ato público foi para cobrar do Governo do Estado agilidade no processo de negociação por conta dos limites do calendário Eleitoral, entre outras questões estratégicas do movimento. Entre os pontos citados como distorções estão: 2,1 mil servidores com remuneração de até R$ 937, salários inferiores aos pisos, vale-refeição congelado em R$ 7 desde 2008 e falta de pagamento de vale-transporte para servidores do interior. "Queremos que haja uma negociação para que possamos superar as distorções que existem no Estado. Queremos nos reunir com o governo para superarmos os problemas em curto, médio e longo prazo. Não podemos aceitar o que está acontecendo nas quatro paredes de cada local de trabalho", reclamou.

No final, uma comissão de sindicalistas entregou oficio aos parlamentares/líderes da oposição e da situação - Silvio Costa Filho e Isaltino Nascimento, respectivamente. 

carregando
carregando