Escrito por: CUT-PE

Nota de Apoio

Berenice Garcês está sendo processada criminalmente por um profissional que praticou conduta desrespeitosa contra uma enfermeira de um hospital particular do Recife.

Reprodução
O processo é uma tentativa de intimidar tanto a presidente do sindicato, como a enfermeira vítima

Nós enfermeiros (as) somos solidários a companheira, presidente do Sindicato dos Enfermeiros no Estado de Pernambuco - SEEPE, Berenice Garcês, que está sofrendo represálias por ter cumprido seu papel institucional de defender uma enfermeira vítima de assédio moral.

Berenice Garcês está sendo processada criminalmente por um profissional que praticou conduta desrespeitosa contra uma enfermeira de um hospital particular do Recife. O caso foi em 2016. Na época, a presidente do SEEPE saiu em defesa da enfermeira, que procurou apoio do sindicato, colocando o jurídico à disposição para defender a trabalhadora e expondo através de um vídeo institucional gravado, o repúdio à situação e combate ao assédio moral.

A presidente do SEEPE foi processada. O processo criminal é totalmente desproporcional diante dos acontecimentos, uma vez que a abordagem pública foi somente em relação ao fato, ou seja, a conduta desrespeitosa contra a enfermeira. O processo é uma tentativa de intimidar tanto a presidente do sindicato, como a enfermeira vítima do caso.

O SEEPE abriu um processo administrativo contra o responsável pelo assédio e para surpresa e indignação da categoria, o Conselho Regional da categoria do profissional, arquivou o processo.

A presidente do SEEPE também levou o tema do caso, assédio moral, para uma campanha comemorativa do Dia Mundial do Enfermeiro, em 2017. “Assédio moral: Não silenciem, denunciem” foi o tema da campanha.

As ações de Berenice Garcês em defesa da enfermeira são plenamente compatíveis com o cargo que ocupa. A presidente do SEEPE cumpria seu papel institucional como representante sindical de uma categoria, de defender a enfermeira. Sobretudo para mostrar que não podemos calar diante dos casos de assédio moral.

Portanto, expressamos total indignação diante do processo criminal sofrido pela enfermeira e presidente do SEEPE, Berenice Garcês. A audiência do caso será nesta quarta-feira, 11/04, às 13h, no Fórum Joana Bezerra, no Recife.