Escrito por: Ascom Sindsep-PE

Plataforma em defesa do serviço público será entregue aos presidenciáveis

A ideia é buscar apoio e firmar compromisso com os presidenciáveis

A Condsef/Fenadsef está preparando uma plataforma em defesa do serviço público e dos servidores que deve ser entregue a todos os candidatos à Presidência da República. A ideia é buscar apoio e firmar compromisso com os presidenciáveis. “Precisamos reabrir o debate sobre negociação coletiva, data-base, concurso público”, garante o secretário geral da federação, Sérgio Ronaldo.  

Segundo o sindicalista, vai ser um documento completo, mas “Nosso carro chefe será a revogação da Emenda Constitucional 95/16”, frisa. A matéria trata do pacote de ajustes fiscais do governo Temer, que diminui drasticamente os investimentos no serviço púbico, em setores estratégias e emergenciais como saúde, educação e segurança. Por isso, a emenda está conhecida como a “EC da Morte”. 

 

Essa não é a primeira vez que a Condsef/Fenadsef prepara uma plataforma do serviço público e dos servidores aos presidenciáveis. Nas eleições de 2014, o documento foi feito e entregue aos candidatos. A presidente eleita de forma legítima, Dilma Roussef, garantiu apoio ao documento, mas, infelizmente, foi impeachmada num golpe político, com apoio do Congresso, e no seu lugar assumiu o vice, Michel Temer, que teve como uma das primeiras medidas de governo propor a EC 95.

SEMINÁRIO NACIONAL

No final de agosto, o Fórum de Entidades Nacionais de Servidores Federais (Fonasef), do qual a Condsef/Fenadsef participa, deve realizar um seminário nacional para discutir estratégias de revogação da EC 95, além de outras demandas como negociação coletiva, data-base e direito de greve.

Dentre as estratégias sobre a revogação da EC 95 está a criação, por parte do Fonasef, de um projeto de iniciativa popular (VER MAIS DETALHES NO GARRA DIÁRIO DE AMANHÃ). 

O secretário geral da Condsef/Fenadsef, Sérgio Ronaldo, lembra que já existe uma campanha em defesa do serviço público coordenada pela CUT, a Brasil Forte: Servidores Público e Estatais de Qualidade. Nesse caso, a ideia é promover o debate e a luta contra os retrocessos promovidos pelo governo ilegítimo de Michel Temer.

A campanha da CUT é baseada em três eixos. O primeiro é justamente a revogação da EC 95. O segundo eixos é a defesa das estatais e, o terceiro, a valorização do serviço público e das estatais. “Essa campanha é da CUT e no Fonasef temos entidades filiadas a outras centrais sindicais”, lembra Sérgio Ronaldo.